Financiamento e taxa Selic

O que a taxa Selic tem a ver com o financiamento e como pode te beneficiar na compra da sua casa própria? Vem com a gente conferir!

Confira 5 dicas para comprar um bom apartamento financiado

Você sente que a hora de sair do aluguel chegou e que já é o momento de adquirir seu primeiro imóvel? Então você vai adorar conhecer nossas dicas para comprar apartamento financiado.

Sair do aluguel é um grande objetivo e, com certeza, mudará positivamente a sua vida. Você deixará de pagar por um imóvel que não é seu, e pagará mensalmente um valor muito próximo ao do aluguel para adquirir seu espaço.

Como é uma decisão para um longo período e exige muito comprometimento, é fundamental pesquisar bastante, entender como funcionam os financiamentos imobiliários e contar com um corretor de confiança para lhe orientar durante o percurso.

Para saber mais, confira nossas cinco dicas personalizadas para ajudar você a tomar a melhor decisão!

1. Entender as opções de financiamentos

Você deve entender bem como funciona o financiamento imobiliário. Financiar um imóvel é como pegar um empréstimo, o banco ou a instituição escolhida vai adquirir o imóvel por você e você vai reembolsar o valor nos anos seguintes. Como é um processo duradouro, está sujeito a juros, taxas e correções, o que aumenta o valor que você pagará pelo imóvel no final.

A vantagem é que você poderá usufruir do imóvel de imediato e continuar pagando pequenas parcelas mensalmente, como faz com o aluguel hoje, porém com a (grande) diferença de pagar pelo que é seu.

Para financiar um imóvel, você pode fazer uma proposta independente ou mesmo compor renda com seu cônjuge. Você deverá apresentar uma documentação específica para o banco, que fará uma análise cadastral e de crédito para avaliar se você poderá arcar com o compromisso estabelecido no financiamento do imóvel. Existem dois principais tipos de financiamento:

Financiamento com a Caixa

A Caixa é uma excelente instituição para financiar um imóvel, já que oferece taxas de juros bastante competitivas, um prazo de financiamento que pode chegar a 35 anos e ainda a oportunidade de usar o FGTS. Para imóveis prontos, ela financia até 70% do valor, e consegue chegar aos 80% para imóveis na planta.

Deve-se observar que existe, todavia, um teto no preço de imóveis financiados pela Caixa, que equivale a R$950 mil em Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo e R$800 mil em outros estados.

Financiamento com empresas privadas

O financiamento com outras empresas, como bancos ou instituições especializadas, também possuem as suas vantagens. Se você for correntista de um banco há muitos anos, por exemplo, pode garantir uma condição especial.

O teto de financiamento, se houver, pode ultrapassar os valores estabelecidos pela Caixa e é possível conseguir taxas até melhores, dependendo do preço do imóvel e do histórico do cliente.

2. Ver condições de pagamento

Para escolher bem como fazer seu financiamento, você deverá analisar as condições oferecidas. Compare taxas, juros, descontos oferecidos e a facilidade de pagamento. Mesmo as parcelas sendo menores quando se financia em um prazo mais longo, quem sabe você pode arcar com uma parcela um pouco maior e pagar em menos tempo? Considerando juros e correções, isso pode ser bastante vantajoso.

Uma dica interessante é guardar dinheiro para poder dar uma boa entrada no momento da assinatura do contrato. Pagar um valor alto à vista vai reduzir significativamente os riscos de inadimplência, o que permite para o banco oferecer condições melhores de financiamento. Além disso, como você reduz o saldo devedor, diminui também a incidência de juros e o prazo de pagamento.

Lembre-se de fazer uma simulação de financiamento antes de se comprometer com qualquer empresa. Compare e negocie com os bancos para conseguir a menor taxa possível e veja o valor das parcelas a cada ano, se elas estão sujeitas a correção e qual o índice utilizado. Faça as contas de hoje até o dia final do pagamento.

Peça para um especialista em financiamentos explicar as diferenças entre os sistemas PRICE, SAC e SACRE, já que eles definirão se as parcelas serão crescentes ou decrescentes e a forma como o saldo devedor será abatido.

3. Fazer um planejamento financeiro

Para dar esse importante passo e comprar um apartamento financiado, não deixe de fazer um

planejamento financeiro

Entenda as 5 maiores dúvidas sobre o financiamento de imóveis

A maioria das pessoas que busca um imóvel para comprar não tem condições de quitar o valor à vista. Por conta disso, fazem-se necessários os financiamentos de imóveis. Basicamente, eles são feitos pelas instituições bancárias, que pagam ao vendedor o valor total do imóvel e parcelam o montante ao comprador.

Nesse momento de compra, o maior desafio acontece porque o mercado imobiliário é cheio de trâmites, burocracia e regras. Conhecer a fundo os financiamentos é essencial para que o comprador se proteja e saiba exatamente onde está pisando.

Para auxiliar você na conquista da casa própria, neste post, esclarecemos as dúvidas mais corriqueiras a respeito do financiamento de imóveis. Avalie tudo para fazer a melhor escolha para seu bolso e para seu momento de vida.

Quer saber mais sobre como funcionam os financiamentos e ver a melhor opção para seu planejamento financeiro? Leia o post e prepare-se para realizar esse sonho com segurança!

1. Como são praticadas as taxas de juros?

Em geral, os juros praticados pelos bancos variam de 8% a 11% ao ano. A boa notícia é que a preferência pela Caixa Econômica Federal fez com que as demais instituições adotassem taxas mais convidativas para acirrar a concorrência. Ponto para o consumidor!

Essa disputa entre bancos ajuda as pessoas a escolherem a melhor opção para o que podem e pretendem. A concorrência também aumentou a gama de benefícios. Para que a taxa de juros seja melhorada, o ideal é que o comprador tenha um valor para oferecer como entrada. Isso diminui o número e o valor das parcelas ao longo dos anos. No entanto, é preciso verificar o valor final do imóvel e todas as outras taxas incluídas no financiamento imobiliário.

2. Qual é o melhor financiamento?

Conforme dito, muitas pessoas apontam a Caixa Econômica Federal como melhor opção de financiamento de imóveis. Porém, a concorrência demanda que sejam efetuadas algumas análises antes de fazer a escolha.

De fato, as taxas de juros da Caixa Econômica Federal costumam ser as mais atrativas. Ainda assim, os tipos de financiamento de algumas instituições podem oferecer outros benefícios. Pode ser a possibilidade de financiar um imóvel de maior valor, o prolongamento do tempo de financiamento e, até mesmo, a chance de parcelar 100% do valor de uma propriedade.

Além disso, os bancos costumam considerar o relacionamento do comprador com a instituição. Correntistas de muito tempo podem ter os benefícios aumentados. Por isso, o indicado é que você compareça à sua agência e converse com o gerente da sua conta. Apresente seus rendimentos e faça as simulações para chegar a melhor opção para sua família.

3. Posso financiar um imóvel com nome sujo?

É verdade que as regras mudam de acordo com o tipo de financiamento e a instituição bancária. Contudo, algumas delas valem para todos. A pessoa que tem interesse em comprar um imóvel não pode ser negativada, ou seja, não pode ter o nome incluído nos órgãos de proteção ao crédito, como SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) e Serasa. Nesses casos, é necessário que o futuro comprador negocie as dívidas existentes e peça para que o nome seja retirado dos cadastros.

Os bancos também costumam avaliar todo o potencial de pagamento do interessado. Qualquer dívida adquirida e não paga pode ser um agravante na hora de a instituição avaliar a capacidade de pagamento.

Com o aumento de crédito, os bancos ficaram mais receosos em liberar financiamentos. Por isso, o ideal é garantir uma boa reputação no mercado antes de partir para a simulação. Um cadastro negado pode ser bastante frustrante para uma família que deseja realizar o sonho da casa própria.

4. Como funciona o programa Minha Casa Minha Vida?

Caso você seja apto a financiar um imóvel pelo programa habitacional Minha Casa Minha Vida, do Governo Federal, a primeira coisa é observar sua faixa de renda. As novas regras incluem famílias que têm renda total de até R$ 9 mil.

São quatro tipos de benefícios, dependendo da receita da família. A facilidade pode ser desde o subsídio, quando o governo paga uma parte da entrada, até a redução do valor do seguro e das taxas de juros. Normalmente, esses índices são menores do que os praticados pelas instituições bancárias.

Para participar é necessário que o interessado realize inscrição no programa. Sua documentação será avaliada e o cadastro será ou não aprovado. Então, o ideal é que o comprador leia as regras e os requisitos com atenção para evitar perder tempo e ser reprovado.

5. Posso utilizar meu FGTS no financiamento de imóveis?

Sim, é possível utilizar o saldo do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) no financiamento de um imóvel. Essa é uma facilidade que pode diminuir as parcelas e ajudar os compradores na realização do sonho da casa própria. No entanto, existem algumas regras para esse uso.

A primeira delas determina que só é possível utilizar o valor para a própria moradia, ou seja, não é possível adquirir uma propriedade para investimento ou como ponto comercial. Além disso, é obrigatório que a construção nova ou usada esteja na cidade em que o proponente mora ou trabalha, incluindo a região metropolitana do município.

Também é preciso que o requerente esteja trabalhando há, no mínimo, três anos com recebimento de FGTS. Para solicitar o uso do saldo, é preciso ir ao banco com os seguintes

documentos